Dicas – Agrojardim

Condensador artesanal para rega

Facilita o seu trabalho de rega, poupa e optimiza os recursos naturais.

1544418_254388494729500_1922757846_n

 

Aprenda a fazer uma infusão

Saiba quais são as melhores técnicas para preparar e saborear uma infusão.

infusao

http://www.jn.pt/live/Programas/default.aspx?content_id=3262450&seccao=Descomplicar

Fonte: Jornal de notícias

 

Plantação doméstica de ervas aromáticas

ervas

O Descomplicar ensina-o a fazer uma pequena plantação doméstica de ervas aromáticas.

veja o video aqui: http://www.jn.pt/live/Programas/default.aspx?content_id=3252231&seccao=Descomplicar

Fonte: Jornal de notícias

 

Secar Ervas Aromáticas

Secar ao ar

A forma mais natural de secar ervas aromáticas é deixá-las secar ao ar livre. Escolha um local seco, escuro, ventilado e quente, mantendo a temperatura entre os 22ºC e 33ºC. Espalhe as ervas numa folha de jornal aberta ou numa placa de cartão (para absorver a humidade) e deixe secar entre 1 a 2 semanas, até as ervas estarem totalmente secas.

No caso de grandes quantidades de ervas aromáticas, corte as ervas pelo caule, faça um ramo, embrulhe em papel de jornal e pendure-o com os caules virados para cima, num local seco, arejado e quente.

Óregãos, tomilho, alecrim, sálvia, louro são alguns tipos de ervas que secam muito bem ao ar.

Secar no forno
Depois de lavar bem as ervas, coloque-as num tabuleiro forrado com papel vegetal. Ligue o forno a 150ºC e deixe a porta um pouco aberta para o ar circular. Este processo é um pouco demorado, demorando entre 1 a 3 horas para secar totalmente a erva.

Como guardar
Após secar as ervas aromáticas guarde-as em sacos ou frascos herméticos para usar quando necessário. Em boas condições, as ervas podem durar até 1 ano. Não se esqueça de classificar e datar cada erva aromática.

Congelar ervas aromáticas
Outra solução muito prática é congelar ervas aromáticas. Aproveite a variedade disponível na primavera e verão e armazene para usar o inverno.

 

  O Terreno para a Horta

img_home

 

A camada arável
O terreno para a horta compreende duas camadas, a mais superficial, a camada arável, e o subsolo. A camada arável é aquela onde as plantas se vão desenvolver, onde as suas raízes vão crescer. É essa camada essencialmente que vai ser mexida na preparação do terreno e é para essa camada que se programam as adubações e as regas. Reconhece-se geralmente por ter uma cor mais escura, pela presença de restos vegetais de culturas anteriores ou de ervas que lá existissem, de animais (ex minhocas) e pela presença de partículas mais finas. Para a maioria das culturas hortícolas, uma camada arável de 30 cm é suficiente.
Elementos importantes da camada arável
Nessa camada existem, além de água e ar, vários constituintes, das quais se destacam a argila, a areia e a matéria orgânica. É a mistura destas três componentes que torna o solo numa matriz sólida porosa onde as raízes se podem instalar e desenvolver. A argila é muito importante para que as raízes tenham onde se agarrar e também para fixar os nutrientes. No entanto, quando a argila é demasiada (>50%), o solo torna-se empastado, impermeável ao ar e à água, muito difícil de trabalhar. Para ver o teor de argila no solo, colhe-se uma mão-cheia de terra. Se se formar uma bola que se desfaz facilmente quando se aperta e que forma grandes torrões que se desfazem facilmente quando é trabalhada em seca, tem-se uma terra óptima para hortas. Se a bola tender a ficar inteira, com um manuseamento semelhante ao da plasticina, ou muito dura quando seca, é melhor juntar por exemplo estrume antes da instalação de hortas ou mesmo de viveiros. A matéria orgânica (normalmente adicionada sob a forma de estrume ou restos de vegetais) vai ser uma importante fonte de azoto (o principal nutriente de que as plantas precisam) e, nos solos mais arenosos é também muito importante para a retenção de água. Nos solos mais argilosos, mais parecidos com barro, é importante para garantir que há poros por onde as raízes conseguem penetrar na terra, respirar e para facilitar a drenagem, para que o solo não encharque. A areia contribui também para o aumento da permeabilidade do terreno.
Assim, se o terreno tiver muita argila e muita matéria orgânica, vai ser um terreno que retém bem a água, podendo regar-se menos vezes com maiores quantidades. Se o terreno fôr mais arenoso, as regas vão ter que ser mais frequentes e com menores quantidades de cada vez.

veja o video aqui: http://www.youtube.com/watch?v=JyN1kK-7W3k

 

A Preparação do Terreno

A preparação

O que preciso para começar a preparação do meu terreno?

Para começar a preparar o terreno para instalar uma horta, convém ter algum equipamento, nomeadamente uma enxada, um ancinho, um sacho e um plantador. Se se tratar de uma área grande, um equipamento como uma moto-enxada [por exemplo uma Honda FJ500SER ou F560] pode ser uma grande ajuda.

Quando devo começar a preparar o terreno?

A preparação do terreno vai depender do terreno em causa, se é um terreno que não foi cultivado durante anos ou se se trata de um terreno que é normalmente cultivadoNo primeiro caso, é costume optar-se por uma mobilização mais profunda (por exemplo cava, lavoura). Esta deve ser feita no outono, a menos que se trate de terra bastante leve.  Esta mobilização serve para descompactar e arejar o solo, reduzir as perdas de nutrientes, eliminar agentes de doenças e pragas (insectos, fungos) que estejam no solo e também para incorporar o estrume. É a operação mais dura de executar manualmente (com enxada), mas fica muito facilitada se se dispuser de uma moto-enxada[por exemplo uma Honda  FJ500SER ou F560]. Se possível, a terra deve ser lavrada quando apresenta o teor certo de humidade, isto é, quando, ao formar torrões, estes se desfazem imediatamente assim que tocados com a enxada. Depois desta mobilização em profundidade, se a terra não fôr imediatamente cultivada, deve deixar-se em torrão. Se fôr para cultivar a seguir, tem que se destorroar e desagregar a camada superficial, com a ajuda de um ancinho ou de outro equipamento que pulverize a terra e desagregue os torrões [por exemplo uma Honda  FJ500SER ou F560].

Se o terreno tem sido cultivado, basta fazer uma mobilização mais superficial, para arejar, destorroar, remover infestantes e incorporar alguns adubos, caso se deseje. Esta é normalmente feita no final do verão ou no final do inverno, consoante as culturas a instalar (culturas de outono/inverno ou culturas primavera/verão, respectivamente). Na preparação no final do verão, se a terra estiver muito seca, pode esperar-se que chova um bocadinho, facilita a preparação do terreno (ou dar uma rega). No início da primavera, normalmente a situação é contrária, é necessário esperar que a terra enxugue um bocadinho, antes de se poder mexer nela.  Para se poder instalar as culturas no terreno, a profundidade que vai ser utilizada pelas plantas (vamos considerar cerca de 30 cm) deve estar bem destorroada, com a terra solta e desagregada (tanto quanto possível).

Veja mais vídeos sobre a preparação da terra:

Vídeo 1

Vídeo 2